Fala, leitor!

Afonso Motta
Advogado e produtor rural

FALTA ALTERNATIVA
Apesar da insatisfação geral com os governos, especialmente pela precariedade dos serviços públicos prestados à população, a oposição não tem conseguido oferecer propostas qualificadas que representem uma efetiva alternativa de poder. 
Enquanto as pessoas manifestam uma grande intolerância com tudo que está errado, os partidos e lideranças que estão fora do núcleo de poder não conseguem expressar politicamente um programa que gere diferencial na vida da população brasileira. Todos querem tudo e muito rapidamente e os jovens em particular têm ocupado as ruas e as redes para manifestar sua inconformidade, criticando a política e a representação partidária. Mas, toda a ação é desconstitutiva e por isso conduz ao desinteresse pelo debate e à desmotivação para o voto. 
Com este cenário é que, apesar do grande desgaste, a ocupação dos espaços de governo e direcionamento da política pública, distribuindo recursos e programas, viabiliza as reeleições ou a eleição dos candidatos do governo. Este fato, somado às primeiras pesquisas eleitorais, que geralmente apontam um bom desempenho para os atuais governantes, já constitui obstáculo para as oposições, que nos últimos pleitos não conseguiram despertar a esperança e o entusiasmo para se consagrar como alternativa ao modelo atual. Portanto, mesmo que não aconteça a melhoria dos serviços e que os escândalos de corrupção se repitam no dia a dia, o governo tem sido eficiente em superar esta adversidade enquanto os partidos demonstram fraqueza na apresentação de propostas alternativas. 
Mesmo assim, permanece a expectativa de que o desgaste do governo chegue a tal ponto que determine uma ruptura, embora distante de uma real alternativa de apoio social e popular. Em resumo, é mais provável que o governo perca a sua hegemonia por seus erros do que pela competência da oposição. Também importa considerar que quanto mais tempo no poder um partido ou aliança, mais difícil para a legitimação da oposição e desconstrução da hegemonia política vigente. É fácil querer mudar e talvez o sentimento majoritário no país seja pela mudança, mas é certo que faltam propostas concretas e coerentes para melhorar o Brasil, um país que todos reconhecem com grandes potencialidades, mas com uma vida institucional ainda em construção.