Falta de medicamentos na farmácia básica: Prefeitura fala sobre a situação

Na manhã de ontem, a reportagem do Coluna Ponto de Vista recebeu algumas ligações reclamando da falta de medicamentos essenciais na farmácia básica do município. Os medicamentos seriam paracetamol, captopril, propanolol e ibuprofeno.
A reportagem do blog que todo mundo lê foi ao encontro de quem realmente pode explicar sobre o assunto: a prefeitura de São Gabriel.
Conversamos primeiramente com o Secretário de Compras do município, Ivel Xarão, que informou que na verdade não há falta deste medicamentos na farmácia do município, e sim, foi adquirido um estoque mínimo.

Ivel: "Os medicamentos estão disponíveis na farmácia popular"
"Adquirimos um estoque mínimo, pois na verdade estes medicamentos encontram-se disponíveis nas farmácias populares do município sem custo, bastando levar a receita e se cadastrar nas mesmas que são as farmácias Drogaria Cidade, Panvel, São João e Mais Econômica", enfatiza.
O secretário destaca ainda que até o final deste mês fará uma nova licitação e fará uma nova compra para a farmácia básica no início do mês de abril.
Ivel explica ainda que qualquer pessoa que precisar saber os medicamentos disponíveis da farmácia popular basta apenas consultar no banner que está disponível na Secretaria de Saúde.
O secretário de compras comenta ainda que o município conseguiu mais uma conquista que foi a redução de cerca de 90% no valor que precisa ser pago nos medicamentos via judicial. "Hoje estamos transferindo os valores a ser pagos ao governo do Estado, que está fazendo a sua parte", destaca.

Guilherme: "Estamos inclusive restituindo os valores"
Sobre os valores pagos pelo município via judicial, conversamos com o Procurador Jurídico do município, Guilherme Abib, que disse que estes valores estão em fase de finalização, mas fez um comparativo: "Para ter uma ideia de 2009 a 2011 gastamos cerca de 1.500.000,00, não tinha remédios nas farmácias e nem eram restituídos os valores. O governo passado sequer questionou isso ao então secretário de saúde do Estado, Ciro Simoni. Já conosco, tanto ele, quanto a atual secretária Sandra Fagundes tem discutido isso conosco e vamos conseguir a restituição deste valor. Faltava vontade política", criticou.
O Procurador diz ainda que o atual governo organizou com muita rapidez esta parte dos medicamentos, pois, segundo Guilherme, saúde é prioridade na administração atual.

Comentários