Palavras Soltas

Cecília de Assis Petrarca Figueiredo
Colunista do blog

Engraçado, a mudança começou sem eu perceber, discreta, quase imperceptível...
Depois, foi crescendo. Foi necessário estacionar na porta do coração uma caçamba para levar todo o entulho, jogar fora os excessos que só causavam falta de ar.
Quanta coisa já não me serve mais... Como eu gostava de me apegar à imagens mal coladas.
Ainda continua tudo fora de ordem. Há muito chão para limpar...
Mas eu tenho que limpar e mudar sozinha. Não adianta chamar ninguém para ajudar, pagar carreto. Ninguém virá me transportar daqui para onde quer que eu vá. É minha mudança. São as minhas escolhas do que fica e do que jogo fora.
Não há corrida contra o relógio, não existe uma data para que tudo se ajeite e eu bem sei que esse tempo de mudança é também uma boa época para plantar. Mais do que nunca tenho escolhido sementes e cavado a terra, sentindo seu cheiro, sua umidade e, respeitando seu tempo, depositando nela toda minha esperança.
Mas não tem jeito. Eu sempre vou esperar pelos jardins. As flores sempre serão necessárias para enfeitar qualquer lugar em que eu esteja.
Isso não vai mudar: vou continuar tendo dessas singelezas de gostar das cores, da natureza e de tudo que tem luz e intensidade. Um dia eu vou poder contar sobre como foi mudar, sobre o que deixei para trás, sobre os sentimentos novos que trouxe para perto de mim e, principalmente, sobre como cresci, aprendi a sonhar e me reconhecer como dona do meu espaço, tomara...

Comentários