Palavras Soltas

Cecília de Assis Brasil Petrarca Figueiredo
Colunista do blog

Eu não sou santa, nunca fui e nem quero ser, posso até ser taxada de louca, pouco me importa, mas se tem uma coisa que me dá nojo é gente arrogante e prepotente que se acha mais gente que a gente e que nem gente não é... Não foi comigo, foi pior... foi covardia e eu detesto, foi com alguém que por humildade não tem como rebater. Não gosto de desrespeito e de quem pisa nos outros se achando mais importante. Para mim são pessoas migalha que se acham bolos. Pessoas que sempre chegam senhoras do seu rei na barriga e se achando grandões. Não gosto. Irritam-me. 
Não gosto de pessoas que atacam os mais fracos buscando atingir quem eles não têm coragem de enfrentar. Gente mascarada que não faz uso da indiferença. Que não distinguem coexistir de se relacionar. Que não percebem as distâncias ainda que diante de portas fechadas. Que esfaqueiam os espaços em branco, que fazem silêncio quando lhes convém e se mascaram de sorrisos e afetos a quem pelas costas catam pedras para arremessar. 
Não gosto de pessoas que não sabem que os corações precisam de contexto. porque se o soubessem não se sentavam em cadeiras e sofás que não lhes pertence a mandar dejetos pela boca feitos chafarizes. Há coisas que eu aguento. E outras tantas que não suporto como ficar presa em circos onde já frisei vezes sem conta que não entro: não comprei bilhete para assistir e muito menos me pagam para atuar. De malabarismos pouco sei, e os palhaços sempre os achei tristes. Sou bastante resistente a conversas onde as setas não têm alvo direto e tenho sérias dificuldades em estabelecer diálogos com pessoas que incham tanto que a alma se perde nos tornozelos. Tudo o que cresce além dos limites acaba explodindo. Era isto!

Comentários