Idoso de 79 anos é preso acusado de abusar sexualmente de duas sobrinhas

Um idoso de 79 anos foi preso no final da tarde de terça-feira, 8. Ele se apresentou acompanhado de advogado. O homem – com prisão decretada pela Justiça – é acusado de abusar sexualmente de duas meninas, de 13 e 15 anos. A adolescente mais velha está grávida. De acordo com a Polícia Civil, uma delas (a mais jovem) vinha sendo molestada desde os 7 anos. O acusado foi encaminhado no mesmo dia para o Presídio Estadual de São Gabriel.
Tudo em família. O acusado é tio-avô das meninas. As investigações feitas pelo Cartório Especializado da Polícia Civil de São Gabriel ainda levam em conta a responsabilidade das mães das duas adolescentes. Segundo as policiais responsáveis pelo caso, não está confirmada se havia conivência delas na ação criminosa, uma vez que os encontros – das meninas com o idoso – ocorriam sempre no período do dia, quando elas estavam no trabalho.

As policiais estão ouvindo relatos de testemunhas desde terça-feira. Os familiares do idoso garantem que não procedem as acusações. Mas a Polícia Civil tem denúncias que revelam que o suspeito tinha muita intimidade com as meninas.
A equipe do Cartório Especializado ainda ouviu as adolescentes. Elas admitiram que mantinham relações com o idoso e a mais jovem revelou que recebia “presentes” do tio-avô.
Os encontros aconteciam sempre nas residências das menores. Conforme as meninas, em uma única vez elas foram até a casa do idoso. Todos os envolvidos moram na Vila Maria, zona sul de São Gabriel.

A DENÚNCIA – A gravidez da adolescente de 15 anos chamou a atenção dos familiares. “Quem é o pai?”, foi a pergunta feita. A resposta deixou todos de boca aberta. A menina denunciou o tio-avô e garantiu que nunca teve relações sexuais com outro homem.
O caso foi parar na Delegacia de Polícia. Com base na denúncia, a equipe do Cartório Especializado descobriu que o idoso também abusava da outra sobrinha, de 13 anos.
Apesar da afirmação da menor, a paternidade só será confirmada após a divulgação do exame de DNA.
O acusado não quis falar sobre as denúncias e admitiu que só se manifestará em juízo. Ele, no entanto, nega que tenha tido relações sexuais com as meninas.
A Polícia Civil chama atenção para esse tipo de situação: “Qualquer tipo de ato libidinoso, conforme o Código Penal, é considerado estupro”.
As vítimas foram encaminhadas pelo Cartório Especializado para acompanhamento profissional no Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS).

Fonte: N1 Notícia