Mais 422 médicos para atenção básica do RS, destaca Valdeci

Com a presença do ministro da Saúde, Arthur Chioro, e do governador Tarso Genro, foi encerrada, nesta quinta-feira, 17, em Porto Alegre, a semana de acolhimento e capacitação de mais 422 profissionais do Programa Mais Médicos do governo federal que vão atuar em 207 municípios gaúchos a partir dos próximos dias. Conforme reforçou o ministro, esses médicos - a maioria egressos de Cuba e dos países da América do Sul - vão atuar exclusivamente na rede de atenção básica. Entre os municípios contemplados, nas regiões Centro, Vale do Jaguari e Fronteira Oeste, estão Santa Maria, São Gabriel, Santiago, São Pedro do Sul, Alegrete, Itaara e Cacequi. “O fortalecimento da rede básica deverá provocar, a médio prazo, a redução significativa das internações hospitalares. Nos locais onde já atuam, os profissionais do programa estão satisfazendo amplamente a expectativa dos usuários do Sistema Único de Saúde”, afirmou o deputado Valdeci Oliveira (PT), líder do governo na Assembleia Legislativa.
O ministro da Saúde destacou que, com essa capacitação, o Rio Grande do Sul passa a contar com 1.065 profissionais do Mais Médicos, o que atende a 100% da demanda existente. Chioro fez questão de ressaltar ainda que o programa também preconiza investimentos em infraestrutura e na formação médica. “Só no Rio Grande do Sul estamos investindo recursos para recuperação e reforma de 1.171 unidades básicas e construção de 59 novas Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs)”, disse ele, que também afirmou que serão criadas 11,5 mil vagas de graduação em Medicina e 12 mil novas vagas de residência médica até 2018.
O governador Tarso Genro agradeceu aos profissionais pela disposição de trabalhar no Estado e garantiu que eles serão bem recebidos pela população. “Vocês terão muito carinho e afeto aqui”, afirmou.
Também presente no ato, o prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, também ressaltou a importância do programa para os municípios. “Não é um ganho para os governos das diferentes esferas. É um salto de qualidade para a atenção básica da população”, assinalou.