Agricultoras denunciam “descaso” do governo a vereador do PDT

A má qualidade dos serviços públicos prestados pelo atual governo municipal em estradas, saúde e educação já causa prejuízos sérios aos moradores da zona rural do município. A afirmação é do vereador Paulo Sérgio Barros da Silva (PDT), após receber, em seu gabinete nesta sexta-feira, 10, as agricultoras Lucimar Oliveira da Rosa E Rosane Grutzmann Rutsatz, moradoras do Corredor de Bagé. 
As agricultoras afirmaram que seus filhos dependem do transporte escolar que vem da localidade do Cerro do Ouro para levar os filhos à escola, o qual é realizado por um ônibus escolar da Secretaria Municipal de Educação. No entanto, desde terça-feira passada, com a queda de uma ponte , o ônibus ficou ilhado no Cerro do Ouro e já não realiza o trajeto completo há vários dias. “Por causa da estrada, uma retroescavadeira está há vários dias dentro de um buraco na estrada do Cerro do Ouro”, diz Rosane Rutsatz.
Os filhos das agricultoras, ambos de seis anos, estão com várias dificuldades para estudar por conta da interrupção do transporte escolar. “Estou tendo que pagar pro meu filho posar na cidade, porque senão ele não consegue estudar”, diz Lucimar Oliveira, que também tem tido dificuldades para vir ao trabalho como doméstica no centro da cidade. “Será que o prefeito Roque vai pagar minhas contas no final do mês, se eu ficar sem salário por causa dessas estradas?”, questiona.
As agriculturas se queixam também do descaso do sistema municipal de saúde para com os moradores do Interior. Lucimar Oliveira denuncia que o Cartão de Saúde do Trabalhador Rural, implantado durante a administração anterior, não é mais aceito pelo atual governo. “Pra eles não significa nada. Não consegui fazer os exames do meu filho, e quando finalmente consegui pelo SUS, não tenho pra quem entregar porque simplesmente não tem pediatra em nenhum posto. Estão todos de férias e a gente está desassistido”, ressalta. “Meu filho já teve as,a AVC hemorrágico, e simplesmente não consegue atendimento. Pra um morador da zona rural conseguir ficha, tem que vir pra fila às seis da manhã como todo mundo, mesmo morando longe. O agendamento não funciona porque não tem profissional, não tem pediatra nem dentista nos postos. Quem diz que a saúde está maravilhosa não precisou levar o filho num posto de saúde do Município”, diz Rosane .