Textículos do Mário Mércio

Mário Mércio
Escritor e colunista do site

O TEMPO É EFÊMERO

Isto é, transitório, passageiro. Precisamos estar atento, pois tudo passa e o que passa não volta mais. Cuidemos mais de nossas pretensões, de suas durabilidades, de produtos, serviços, empreendimentos, nossa mente, nosso corpo enfim, para sua durabilidade ser mais longa, pois certamente ela vai acabar. Depois do nascimento a única certeza é a morte. Não sabemos qual profissão podemos abraçar e nem quantos filhos teremos e menos ainda o sexo deles ou se vamos casar e ser feliz, mas sabemos desde o início que vamos morrer e nem assim aceitamos a morte, o que é um enorme erro.
Digo erro, porque se administrássemos isso bem, não deixaríamos tantas coisas para trás para serem resolvidas, por quem não a vivenciou. Imaginemos que sofrendo um acidente qualquer fiquemos numa vida vegetativa, como poderemos instruir nossos familiares das coisas que só nós sabíamos? Mas mesmo assim fugimos de discutir a morte.
Tudo acaba e tudo vira ilusão no fim.Mas o essencial é que possamos conservar, cultivar e preservar aquilo que conquistamos, como o amor, a pessoa amada, os filhos, os parentes e os amigos, também nossa casa, nossos móveis e nossos animais. Cuidar para não esvaziar tudo. Vivemos numa época em que tudo é rápido demais, até os relacionamentos, mudanças de endereço, de cidade, de país, se faz num clic.
Já não faz mais sentido o diálogo, a negociação. Estes hábitos não existem mais.
Não falamos mais cara a cara, enviamos mensagens curtas, impessoais, com poucos caracteres e sinais e está tudo resolvido. E cada um fica na sua, como se estivesse tudo resolvido. Ninguém se expõe e nem se compromete. 
É bom saber do alcance e dos riscos de estar nas redes sociais. É bom ter muito cuidado com o que se vai digitar, publicar, fotografar, expor, pois não se sabe quem vai ver e o que podem fazer.
O prof. OsvinoToillier nos diz que a tendência dos jovens é sair de onde pessoas mais velhas estão entrando. É uma pena, pois os mais velhos, ao contrário, gostam dos mais jovens. O convívio com os mais velhos, senão idosos, e esse entrelaçamento entre gerações só vem a beneficiar os dois, pois ajuda, e faz crescer o mais jovem e o mais velho se atualiza, é uma troca de experiência e de aprendizado para ir levando a vida dentro de um nível saudável à ambos, porque afinal, um vai fica velho e o outro não existirá mais, pois o tempo é efêmero.