Adolescente morta com 28 facadas vinha sofrendo ameaças

Adolescente foi morta na casa onde vivia com a família
Foto: Julio Lemos / Jornal Gazeta de Rosário
Rosário do Sul - Sem revelar detalhes da investigação, que é sigilosa, a polícia adiantou que Linikelen Dutra Fialho, 14 anos, que foi morta com 28 facadas no fim de fevereiro, já vinha sofrendo ameaças.
Uma adolescente foi encaminhada ao Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) de Santa Maria nesta segunda-feira e será levada para Porto Alegre, onde existe uma unidade feminina do Case. Ela é suspeita de ter participado da morte de Linikelen, ocorrida em Rosário do Sul.
— As duas tinham uma rixa, e a vítima vinha sofrendo uma série de ameaças antes de o crime acontecer — disse a delegada Karina Salvagni Heineck.
O pai da vítima, Romeu Fialho, afirma que a filha nunca contou em casa sobre as ameaças.
Foto: Reprodução/Facebook
— Ela era uma garota querida por todos. Nós conversávamos muito. Conversas de pai e filha mesmo. Mas ela nunca disse precisar de ajuda por ameaças ou algo assim — diz Fialho.
Um jovem de 24 anos foi preso preventivamente pelo crime três dias depois do assassinato. Ele cumpria pena no regime semiaberto por outro crime quando o assassinato aconteceu.
De acordo com a delegada, mesmo tendo negado participação na morte da garota, ele e a adolescente são os principais suspeitos. As roupas que dos dois teriam usado no dia do assassinato já foram encaminhadas para perícia.
Estudante da 8ª série da Escola Barão do Rio Branco, Linikelen foi morta a facadas, dentro do seu quarto, na Rua Artidor Ortiz, no final da tarde de 25 de fevereiro. O corpo foi encontrado pelo irmão mais novo da vítima, que estranhou quando ela não foi buscá-lo no colégio.
O laudo de necropsia atestou que ela foi morta com 28 facadas. A causa da morte foi hemorragia interna e externa. De acordo com a delegada, as facadas que mais contribuíram para a morte da adolescente atingiram o pulmão.

Fonte: Diário de Santa Maria