Em menos de 24 horas, polícia identifica responsáveis por ataque ao museu

Seis pessoas foram apontadas pela Polícia Civil de São Gabriel como envolvidas no furto de duas metralhadoras, uma carabina 7mm e uma pistola C96 Cal 7,63mm ocorrido na madrugada de sábado (28) do prédio do Museu Gaúcho da Força Expedicionária Brasileira (FEB). Dois homens são acusados do furto e os demais por receptação e por participarem no esquema de venda.
De acordo com a Polícia Civil, os ladrões entraram por uma janela e teriam levado as armas que estavam desmontadas, em exposição e já fora uso.
O museu, que conta a história dos militares brasileiros que lutaram na Segunda Guerra Mundial, fica na antiga estação férrea do município.
As imagens das câmeras de segurança mostraram que dois homens invadiram o local por volta das 5h30. Durante a tarde de sábado, policiais foram ao prédio e analisaram as imagens para tentar identificar os assaltantes.
Em nota, o Comandante do 6º Batalhão de Engenharia de Combate e Guarnição Militar Federal de São Gabriel, tenente-coronel Mauri Marcelo Felix Freitas, informou que todas as armas furtadas estavam sem seus mecanismos de disparo (molas, percursores e extratores), sem os sistemas de segurança e com os canos sem condições de realizar tiros (com obstruções e ovalados).
O material só foi recuperado no começo da tarde de domingo (29) depois de um telefonema anônimo para a Delegacia de Polícia. Uma carabina foi localizada abandonada próximo a ponte do Rio Vacacaí, no Bairro Mato Grosso, e através dela os policiais conseguiram “desenrendar” todo o esquema. “Descobrimos que a arma teria sido jogada no local por um elemento. Fomos até a casa dele e ele informou como teria conseguido a arma”, explicou o policial.
Mas dois jovens e um segundo receptador foram identificados. O restando do material furtado também foi encontrado escondido na margem oeste do Rio Vacacaí.