Menina de 14 anos foi morta por presidiário e adolescente, afirma polícia civil

Uma ação policial, envolvendo policiais de São Gabriel e Rosário do Sul, terminou com a prisão preventiva de Júlio Cesar Zambrano Padilha, vulgo Cabeludo, na tarde deste sábado (28). O elemento foi detido em casa, no Bairro Progresso, na periferia de Rosário do Sul, acusado de matar a menina Line Kelen Dutra Fialho, de 14 anos. O crime aconteceu na tarde de quarta-feira (25/02), na casa dela, no Bairro Artidor Ortiz. Uma adolescente também é acusada de envolvimento na morte.
De acordo com polícia, o preso estava cumprindo pena no regime semiaberto e desde o dia 19 estava com dispensa – autorização para permanecer fora do Presídio Estadual de Rosário do Sul. Segundo os policiais, o detento conquistou este benefício por bom comportamento. No entanto, além do homicídio, durante o período que ficou fora da casa prisional, Cabeludo ainda participou de um assalto.
A Polícia Civil ainda mantém o caso aberto com a possibilidade de novos desdobramentos nas próximas horas.
Tudo começou com uma discussão na praia. Line Kelen teria se desentendido com outra menina e esse desentendimento é que acabou motivando toda uma armação para a sua morte.

O ASSASSINO DEVERIA ESTAR NO PRESÍDIO
Júlio Cesar, o Cabeludo, tem – pelo menos – quatro casos de homicídio ou tentativa de homicídio, e ainda uma série de prisões envolvendo tráfico de drogas e crimes leves. Condenado há 8 anos de reclusão, atualmente ele cumpria pena no regime semiaberto e, desde o dia 19 de fevereiro, estava com dispensa autorizada pela Justiça. De acordo com a legislação, para usufruir deste benefício, o preso precisa ter bom comportamento e, em caso de réu primeiro, cumprido 1/6 da pena ou, se for reincidente, 1/4.
Quando estava fora do Presídio Estadual, Cabeludo acabou se relacionamento com uma menor. A Polícia Civil ainda não sabe se ação foi a pedido da adolescente ou se foi uma decisão própria do acusado. No entanto, os dois estão envolvidos no crime. Não está descartada a participação de outras pessoas. Line Kelen foi morta com mais de 20 facadas. Um dos ferimentos atingiu o pescoço da adolescente.
O irmão dela de 9 anos foi quem a encontrou o corpo. Line Kelen costumava buscar o irmão mais novo na escola todos os dias. Naquele dia, ela não apareceu e ele teria ido para casa. Ao chegar, o menino teria deparado com a irmã morta no chão do quarto e saído gritando da residência. Os vizinhos acionaram a BM.
A mãe e o padrasto da adolescente estavam trabalhando no momento do crime. Ao ficar sabendo do assassinato, a mãe da vítima passou mal e foi encaminhada para atendimento médico.
Line Kelen foi sepultada na quinta-feira. No final da tarde, o Cemitério São Sebastião ficou lotado de pessoas que foram se despedir da adolescente.