Vila Nova do Sul – 23º Aniversário de Emancipação Política

A emancipação marca, segundo o filósofo alemão Immanuel Kant, a “saída de um estado de minoridade”, e possibilita um percurso onde cada um é responsável pelo exercício de sua autonomia. Em vinte de março de 1992 a localidade de Vila Nova do Sul tornou-se oficialmente emancipada política e administrativamente do município de São Sepé, percurso que embora tenha lhe trazido novas realizações, resguardou seu passado e muitos vínculos até então vindouros. Na respectiva data surgiu mais um município no centro de nosso estado, e com ele os elos, as obrigações e necessidades que a construção coletiva, participativa e ativa, implica aos homens e mulheres considerados em sua cidadania. Uma municipalidade não se caracteriza somente pela sua estrutura e autonomia administrativa, mas principalmente pela capacidade de estabelecer vínculos comuns, objetivos e metas partilhadas por uma comunidade, pois emancipação política significa liberdade para o exercício da cidadania. Um município se caracteriza pela sua gente, pela sua pluralidade considerada, pelas suas diferenças, mas principalmente pela capacidade de abrir mão de interesses individuais, ou mesmo de grupos, e estabelecer objetivos comuns e duradouros. A história de Vila Nova do Sul é a história de sua população, de suas qualidades e limitações, de suas possibilidades, mas principalmente, de sua luta e coragem em não aceitar limites estabelecidos, paradigmas ultrapassados, valores desumanizadores.
O Conselho Municipal de Educação, neste horizonte, deseja que este aniversário seja um momento profícuo não só de comemoração, mas também de reflexão, pois é necessário valorizar as pessoas, suas lutas e conquistas, neste percurso de vinte e três anos. A emancipação política deve acontecer também frente ao predomínio de interesses individuais e/ou partidários, reestabelecendo os vínculos de compromisso comum, relação que segundo Kant deve ser caracterizado pelo desinteresse, ou seja, pela capacidade de se colocar no lugar do outro, de pensar alargado. Como em toda a sociedade brasileira, nos é premente livrarmo-nos daquilo que o célebre Rui Barbosa nomeou de politicalha, e fazer acontecer a política, em outras palavras, “o exercício normal das forças de uma nação consciente e senhora de si mesma”.
Temos a confiança que a educação exerce papel significativo na formação de uma municipalidade emancipada, capaz de refletir sobre seu estado presente, resguardar e valorizar seu passado, e ainda manter-se capaz de conjuntamente construir perspectivas para as gerações futuras.

Prof. Ms. Giovane Jardim
Presidente do Conselho Municipal de Educação