Nas rádios, Prefeito Roque declara que CPI só tem a finalidade de promover seu linchamento político

Presente nos microfones das Rádios São Gabiel AM e RBC FM, na quarta-feira (03), o prefeito Roque Montagner apresentou o relatório de sua viagem durante a semana passada à Capital Federal, mas quando indagado sobre as questões da CPI na Câmara, o Chefe do Executivo demonstrou tranquilidade e serenidade ao fazer uma explanação sobre todos os fatos que estão acontecendo na referida Comissão.
O prefeito Roque deixou claro o seu respeito pelo Poder Legislativo e o papel da Câmara em Legislar e Fiscalizar, no entanto, foi enfático e afirmou: “Considero a CPI estéril, pois tem a finalidade de promover um linchamento político deste prefeito com claro aspecto golpista, que fere a vontade popular conquistada nas urnas, onde a maioria da população gabrielense democraticamente escolheu o seu prefeito. Um governo que faz e está fazendo. E que não se submeteu a tentativa de extorsão de um vereador integrante da Comissão da CPI, pois alguns membros desta mesma comissão demonstram indignação em querer saber o que este prefeito foi fazer no Cartório de Registro de Imóveis”, relatou.
O Chefe do Executivo destacou ser público e notório que a área alvo da CPI foi doada em Governos anteriores inclusive registrada e escriturada, e o que de fato seu Governo fez foi recuperar através do desmembramento que se chama Escritura de Retrocessão um terço da área de volta para o Município. Segundo ele, “Outra questão que a população precisa saber, que tanto o prefeito como a Câmara de Vereadores só podem fazer o que está na Lei. A pergunta que eu também gostaria de saber é: Porque o Governo passado e a Câmara aprovaram uma Lei de Doação de um terreno de 3 mil metros quadrados para construção de uma indústria dentro de uma área Residencial, que conforme o Plano Diretor do Município não é permitido a instalação de atividades industriais. Jamais essa indústria poderia dentro da Lei obter do Município a aprovação do projeto e o licenciamento de construção, nem como, a licença ambiental poderia ser emitida.”, indagou o prefeito. Outro fato relevante que o prefeito enfatizou foi de que houve a aprovação do Projeto de Lei de doação sem cláusula restritiva de alienabilidade e incomunicabilidade também feitas por Governos anteriores aprovada pela Câmara e inclusive por vereadores que hoje compõem a CPI.
Ele ainda questiona aos vereadores que compõem a CPI e mesmo a Câmara de Vereadores, sobre: “Qual é o mecanismo de fiscalização, ou de ato administrativo que impede o atual proprietário de vender novamente a área?
Ao ser questionado sobre sua ausência para depor na CPI, o prefeito Roque afirmou que: “Já é de conhecimento público do ofício que enviei a Comissão, inclusive com publicação no Jornal O Imparcial que a minha presença não mudaria a decisão do relatório final da CPI. Como já me manifestei anteriormente, afirmando que um vereador membro da CPI tentou me coagir, pedindo 32 cargos e 02 secretarias, e este vereador já deixou claro em seus pronunciamentos sua inimizade política com o prefeito motivada pela minha recusa em atender suas propostas, que julgo totalmente imoral. Também é público para nossa população, inclusive da demanda de ação por mim movida pelo crime de calúnia e difamação contra este vereador”, disse o prefeito.
Ao final das entrevistas, o prefeito deixou claro que está tranquilo e sereno. “Temos nossa conduta de homem público inabalada. Ao longo da minha vida sempre primei pela ética, transparência e restrito cumprimento das leis. A nossa população que muito bem me conhece sabe minha história de vida, de seriedade e de honestidade. Tenho certeza que os senhores vereadores que primam pela verdade e que querem o bem de São Gabriel não irão se submeter a posição de alguns que não conseguem se descolar dos interesses pessoais”, finalizou o prefeito.