A Expointer da Reação

Tarso Francisco Pires Teixeira
Presidente do Sindicato Rural de São Gabriel
Vice Presidente da Farsul

Depois de praticamente uma década desfrutando de um ciclo de estabilidade na economia mundial, o Brasil reincorpora ao seu dicionário a palavra “crise”, velha conhecida que andava sumida, e que retornou sedenta de atenção, ocupando todos os espaços. Há crise para todos os gostos: na economia, na política, nas instituições, na ética pública, na indústria, no comércio, e por fim, no setor que até outro dia ainda resistia bravamente: o agronegócio. Insumos mais caros que prometem encarecer ainda mais com os futuros aumentos de ICMS, perda de renda impactando no mercado interno, são apenas alguns dos sintomas de uma crise que, no setor rural, parece estar apenas começando.
É neste ambiente de incertezas, turbinado pela disputa de sujeira entre situação e oposição na Operação Lava-Jato, com o governo festejando a denúncia contra o presidente da Câmara dos Deputados e a oposição aguardando o cai-não-cai da presidente da República, que se realiza mais uma Expointer. A crise, com os ingredientes locais do escandaloso déficit das contas do Governo do Estado, estará inevitavelmente na pauta da maior feira agropecuária da América Latina. Os números dos remates, serão certamente acompanhados com lupa pela mídia. Mas e o setor rural, que pauta pretende apresentar? Em um evento que tradicionalmente recebe autoridades do governo e da oposição federal, qual será a mensagem do campo?
Particularmente, entendo que este é o momento para as forças vitais do agronegócio – produtores, lideranças, empresários do setor agro-industrial - demonstrarem a vitalidade do setor e a capacidade do produtor rural gaúcho em se adaptar e exercer criatividade em frente à crise. Quem já enfrentou crises institucionais nos anos 30, 60 e 70, e períodos de desajuste econômico nas décadas de 50 e 80, sabe a receita para enfrentar estes períodos: investindo em qualidade, buscando mercados mais rentáveis e competitivos, realinhando operações e trabalhando com dinamismo.
A Expofeira de 2015 pode ser a oportunidade que o país precisa para enxergar as respostas para todas as crises. Em todas as suas dificuldades históricas, o país sempre se voltou para o campo, e o campo sempre respondeu ao desafio. Com humildade, união de esforços e construção coletiva de soluções, a Expointer será mais um espaço de esperança para o povo brasileiro.