Polícia não sabe ainda a causa da morte do empresário

Na manhã de hoje o corpo do empresário Antônio Carlos Matilzi Baldissera, de 65 anos foi localizado pela Polícia Civil dentro do caminhão que ele dirigia, escondido as margens da BR-290, no km 404, em Santa Margarida do Sul, a cerca de 14 quilômetros de São Gabriel. O veículo foi encontrado por volta de 11 horas com o uso de avião particular. “Já havíamos passado por este local outras vezes e não notamos nada”, disse um parente da vítima, envolvido na procura desde a confirmação do desaparecimento.
O local ficou isolado até às 16 horas, quando uma equipe do IGP chegou. A Polícia Civil aguarda o resultado do laudo do legista para confirmar a causa oficial da morte.
De acordo com o setor de investigações, aparentemente, o empresário não tinha lesões pelo corpo, o que faz a Polícia Civil ampliar as possibilidades para a causa da morte, não descartando uma situação natural. Segundo os policiais, todos os objetos de valores ainda permaneciam no veículo. “Encontramos o dinheiro, o relógio e o celular. Não há indicação de que tenha sido um roubo”, diz o policial.
O policial ainda justificou algumas informações passadas preliminarmente. “Tínhamos notado uma mancha na camisa e acreditávamos se tratar de sangue. Descobrimos que não se tratava de sangue”, explicou.
O laudo do legista deveria ser divulgado ainda nesta sexta-feira.
Na manhã desta quinta-feira (06), completaram-se 72 horas do desaparecimento do empresário. O veículo, dirigido por ele, havia sido visto pela última vez em uma avenida da cidade ainda na manhã de segunda-feira. Depois foi novamente avistado na BR-290.
As buscas chegaram a ser estendidas para todo o Estado. O policial Luis Pascotin, responsável pelo setor de investigações da Delegacia de Polícia da cidade, informou que foram incluídos os dados do veículo em sistemas de busca no Rio Grande do Sul.
Baldissera morava em São Sepé, mas tinha familiares em São Gabriel e era proprietário do prédio onde hoje funciona o Supermercado Big Max, no Bairro Mariana, na zona oeste. De acordo com o delegado de polícia, José Soares de Bastos, Baldissera deveria fazer a entrega de hortifrutigranjeiros na cidade e tinha compromissos durante o dia. Um deles, era buscar a neta na escola, ao meio-dia, mas não aconteceu. Segundo o filho do empresário, o pai teria recebido R$ 2,8 mil referente às entregas que fazia.