Textículos do Mário Mercio

Mário Mércio
Escritor e colunista do site

ÓDIO EXALTADO

Tem o ódio quieto, aquele silencioso. Mas tem aquele exaltado, aquele que pode se tornar perigoso e até assassino.
Estes dias dobrei uma esquina antes do tempo e um carro freou. Bastou isso para o motorista ficar furioso, me mandando encostar insistentemente. Vi que o cara estava exaltado e ignorei-o, para tranquilizar minha esposa.
Todos os dias lemos notícias nos jornais, TVs e internet de pessoas com surtos de ódio individual e até coletivo, como briga de torcidas que arrastam até a morte o torcedor contrário ou socando-o desvairadamente ou motorista que avança contra grupo de pessoas causando muitos feridos e mortes. Outros jogam crianças pela janela e assim por diante. Mas tem aquele que decapita, ninguém decapita sem ódio. São brutalidades que fogem à nossa vã consciência e nos deixam pensando no que pode fazer uma pessoa cheia de ódio.
O ódio -nos diz o psicanalista JacksonC.Buonocore – É uma emoção extremamente negativa aliada a uma profunda contrariedade, que visa pessoas, grupos, objetos, memórias e ideias. Buscando a destruição desses, por meio de agressão física, verbal, moral e política, podendo, inclusive, levar a morte ou destruição do odiado ou grupo.
Vemos cotidianamente a banalização do ódio e da violência, quando assistimos e vemos fotos macabras de pessoas mortas expostas e comentário jocosos desejando mal a estes infelizes. Verdadeira repugnância, desprezo e nojo até, ao morto ali despedaçado, estripado como um troféu a seu algoz que é elogiado sem nenhum sentimento de amor ao próximo.
É o ódio turbinado. Este sentimento não leva a nada, mas é uma fábrica geradora de distúrbios psicossomáticos-- nos diz o psicanalista.
A raiva e o rancor são filhos do ódio e causadoras de uma sensação de frustração, quando um desejo não acontece e maior quando traz prejuízo econômico irreversível. Por exemplo: quando somos roubados, furtados.
Então surge a vontade de revidar e ai vem a violência e às vezes a auto- violência, quando nos violentamos sem nenhuma necessidade.
Já se diz que o ódio gruda mais que o amor. Pode durar pouco, como é normal, mas pode durar uma vida inteira, trazendo mais malefício a todo nosso sistema nervoso do que muitas doenças. É o ódio vencendo-nos. Nestes casos, quando identificado, o correto é procurar ajuda de um psicólogo da confiança.
Martin Luther King já alertava: a escuridão não pode expulsar a escuridão, apenas a luz pode fazer isso. Queria ele dizer que: “ que ódio não pode expulsar o ódio, só o amor pode fazer isso”.
Por isso não nos regozijemos com a desgraça de ninguém, fechemos os olhos para o mal e conservemos o pensamento para o que é bom, isso vai nos trazer PAZ e com paz vivemos FELIZES.