Textículos do Mário Mércio

Mário Mércio
Escritor e colunista do site

OS FARRAPOS
Chegou o dia 20 de setembro. Data cantada, trovada e enfeitada em poemas e versos que enaltecem uma façanha. Como no hino rio-grandense. 
Setembro de 1835. 180 anos nos separam dessa epopeia farroupilha.
Foi nesta data que um povo enfurecido e cansado de ser espoliados pela União se rebelou.
Tudo começou aqui no RS. O império enviou sua força para combater os revoltosos que se chamariam “Farrapos”, considerando sua pobreza. Foram derrotados pelos valentes revoltosos e seu comandante escondia-se, o presidente fugiu e Bento Gonçalves surgiu dos campos rumo à sede do governo.
Éramos uma província imperial relegada ao abandono, economicamente combalida, mas aguerrida e forte e isso foi provado pelas consequentes vitórias no front, durante 10 longos anos.
Como hoje, onde somos explorados pela União, endividados até o fundo dos bolsos, o governo fraqueja em atender nossas reivindicações, que naquela época, pagaram vultoso preço por isso. As taxas e juros extorsivos estão de volta e o povo já começa a brigar. Só que hoje as brigas não são mais a tiro e a galope de cavalos, hoje somos diplomatas e usamos a mídia, a pressão popular e a liderança política para atacar. Temos três senadores que buscam acordos e negociações.
Parece que os governantes não aprenderam esta lição dos farrapos e se esquecem do povo que os mantém no poder.
Napoleão Bonaparte nos ensinou muito com suas vitórias: “Só pela força se dobram os inimigos”. Os tempos, como disse, são outros, mas acredito que os gaúchos mais uma vez vão se conscientizando que Napoleão estava certo.
Os governos Federal e Estadual não infundem respeito, políticos se avantajam, locupletam e se recolhem ás suas insignificâncias, mancomunados ao entreguíssimo aviltante e aviltante, odioso e hediondo.
Se formos unidos, aguerridos e bravos, proclamaremos uma nova lei justa e bradaremos nossa independência e glória, como os FARRAPOS.