Romaria da Terra: Produtores rurais protestam com panfletos

A forma encontrada por produtores rurais para mostrar sua contrariedade e se defender do discurso ideológico da Romaria da Terra, prevista para este feriado de Carnaval em São Gabriel, foi a distribuição de panfletos que contestam o lema do evento, “Cuidar da Terra, Casa Comum”. A iniciativa não é propriamente do Sindicato Rural de São Gabriel, mas de produtores rurais que custearam os panfletos de forma individual. “Mas sem dúvida, entendemos e apoiamos a indignação dos produtores”, ressalta o presidente do Sindicato Rural de São Gabriel e vice-presidente da Farsul, Tarso Teixeira. Segundo Teixeira, o lema da Romaria é uma forma de culpar o agronegócio por agressões ambientais, “O terrorismo ambiental é o novo discurso dos inimigos do campo. No entanto, se olhassem para sua própria situação, teriam de reconhecer que as maiores agressões ambientais ocorrem em assentamentos do Incra e acampamentos do MST”, assinala Tarso. Para Tarso Teixeira, a postura ideológica da CNBB e da “ala progressista” da Igreja Católica, erram ao satanizar o agronegócio. “A Igreja Católica, desde a Conferência Episcopal de Puebla, afirma que possui uma ‘opção preferencial pelos pobres’. Se realmente é assim, sua defesa deveria ser em favor do agronegócio, que gera empregos para os trabalhadores e tem garantido por muitos anos alimento barato na mesa do brasileiro. Mas ao contrário, a CNBB prefere ser parceira de uma organização criminosa que utiliza o pobre como massa de manobra”, assinala.