Sargento suspeito de estupro será interrogado pela polícia

A Polícia Civil de Rosário do Sul continua a investigação sobre uma suspeita de estupro envolvendo um sargento do Exército, de 23 anos. O caso teria acontecido no último sábado. Uma adolescente de 14 anos é a possível vítima. Conforme a delegada Karina Heineck, que comanda as investigações, a polícia tem convicção de que a relação foi consensual, já que a própria menina contou para os pais que teve relações com o militar. No entanto, os pais alegam que ela tem problemas psiquiátricos e não tem condições suficientes de discernimento para a prática de ato sexual.
A delegada ainda espera o laudo do Posto Médico Legal de São Gabriel, onde a menina passou por exames para comprovar se houve ou não relações sexuais. A vítima também foi encaminhada para uma avaliação psicológica, que é o que vai determinar os rumos do inquérito. A delegada fez um pedido formal ao 4º Regimento de Carros de Combate (4º RCC) para que libere o suspeito, que é 3º sargento temporário, para prestar depoimento.
O 4º RCC também abriu uma investigação. Por 30 dias, um Processo Administrativo Disciplinar vai buscar esclarecer o que aconteceu e apurar a conduta do militar, que pode ser expulso das Forças Armadas.
O caso teria acontecido entre às 21h e 22h do último sábado. O militar teria saído com a menina de carro e levado-a até um campo que fica atrás de uma escola, onde teriam ocorrido os atos sexuais. Depois, ele teria deixado a menina na frente da casa dela.
Se não for comprovado nenhum problema psiquiátrico na vítima, e se o envolvimento foi consensual, o suspeito não responderá por estupro de vulnerável, já que a vítima tem mais de 14 anos. No entanto, se for comprovado o problema psiquiátrico, o estupro de vulnerável se configura novamente. Para esse caso, a pena prevista no Código Penal vai de oito até 15 anos de prisão.

DIÁRIO DE SANTA MARIA