terça-feira, 24 de abril de 2018

'Estamos pagando pela nossa condição física', diz técnico do São Gabriel

Sananduva assumiu o São Gabriel no lugar de Paulo Matos
Foto: Ronald Mendes (Especial)
A derrota do São Gabriel no clássico regional contra o Inter-SM, no domingo, na Baixada, deixou a equipe da região em situação delicada a três rodadas do fim da primeira fase da Divisão de Acesso. Apesar da melhora de rendimento após a chegada de Sananduva, o time continua na 7ª posição e briga diretamente contra o Santa Cruz, o lanterna do Grupo 1, para não cair à Terceirona. Segundo o comandante do Sanga - o terceiro a assumir o elenco na temporada -, o São Gabriel pecou pelo planejamento. Ele direciona suas críticas, principalmente, à preparação física.

"Crescemos no campeonato, mas a nossa parte física deixa a desejar. Ainda estamos tentando ajustar várias situações. Agora, é só livrar o clube do rebaixamento. Temos jogos complicados. Tivemos de remontar a equipe. Nossa equipe joga alguns minutos de igual para igual, mas cai a parte física. O planejamento, num contexto geral, foi errôneo. A gente teve de ajustar um monte de coisas em menos de um mês. Estamos pagando pela nossa condição física. Mas a gente pode ganhar os dois jogos em casa. Vamos tirar o clube dessa situação", promete Sananduva.
O revés para o Inter-SM aos 49 minutos do segundo tempo ainda repercute. O São Gabriel reclama muito de um impedimento assinalado pela arbitragem, que anulou um gol de Yuri. Em outro lance polêmico, o lateral-direito alvirrubro Padel acertou um carrinho temerário em um atleta do Sanga, na beira do campo, para impedir um contra-ataque. De acordo com Sananduva, esses dois lances mudaram o rumo da partida.
"Ficamos chateados com a arbitragem. Acho que o Yuri não estava impedido (no gol anulado do São Gabriel). E nos acréscimos, os jogadores do Inter-SM caindo toda hora e demorando para trocar. Aquele lance do carrinho (do lateral Padel, quando o jogo estava em 1 a 1) era vermelho direto e não tem conversa. Não gosto de falar de arbitragem. Mas, num contexto geral, o nível da arbitragem está muito abaixo (na Divisão de Acesso). O jogo estava em 1 a 1 naquele momento, e provavelmente o Inter-SM não faria gol. Foi um lance determinante para o jogo", afirma Sananduva.
Sobre o clássico, Sananduva disse que o empate seria um resultado mais justo para a partida.
"No primeiro tempo, a gente montou uma estratégia de ficar numa situação com dois homens de velocidade na frente, o Rafael Mineiro e o Clebinho. Neutralizamos o adversário. No segundo tempo, o Inter-SM cresceu, e a nossa linha ficou muito atrás. Levamos o gol, reagimos, empatamos, mas no final tomamos um gol que não estava no nosso script. Foi um misto de alegria pela situação do jogo e de frustração por tomar o gol aos 49 do segundo tempo", avalia o técnico. 
Os gabrielenses seguem com 8 pontos, na 7ª colocação da chave. Na 12ª rodada, a equipe da região pega o Guarani-VA, no Estádio Sílvio de Faria Corrêa, no próximo domingo. Na 13ª rodada, em 6 de maio, o clube recebe o Santa Cruz para um confronto direto.

Fonte: Diário SM