sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Espaço do leitor:

Eles ainda não aprenderam

Tarso Teixeira
Presidente do Sindicato Rural de São Gabriel
Vice Presidente da Farsul

Após ser restaurada a dinastia dos Bourbon na Espanha, com a derrota definitiva de Napoleão Bonaparte em Waterloo e a realização do Congresso de Viena, o diplomata e ex-primeiro ministro da França, Charles Talleyrand, fez a respeito dos reis um comentário que virou célebre: “Não aprenderam nada. E não esqueceram nada”. Os brasileiros conhecem a frase porque num debate presidencial em 1989, o controverso Paulo Maluf repetiu esse mesmo comentário, desta vez sobre Leonel Brizola, que continuava o mesmo incendiário, mesmo após quinze anos de um longo exílio.
Pois bem, a mesma frase pode ser dita sobre Lula e o PT, cujo candidato substituto, Fernando Haddad, a apenas dez dias do segundo turno, faz uma denúncia irresponsável acusando o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, de ter “comprado” um pacote de fake news para disseminar através do WhatsApp, com o intuito de prejudicar sua campanha eleitoral. Como se alguém que está com 60% de preferência na pesquisa eleitoral mais pessimista, fosse precisar de algo mais além de administrar a vantagem consolidada. Mas tem pessoas levando a sério a tal “denúncia”, e já surgem “especialistas” indicando que a eleição pode até ser cassada, e inventado um segundo turno entre Haddad e o terceiro colocado Ciro Gomes, alijando da disputa o candidato que venceu o primeiro turno. Tal orquestração de interesses entre a classe política e a oligarquia judicial não seria de surpreender, ao menos pelo ineditismo da desfaçatez.
Definitivamente, o PT não aprendeu nada com a decadência sofrida após o impeachment de Dilma e a prisão de Lula. Este, tido até hoje por alguns como o “grande gênio” da política brasileira, viu sua estratégia de eleger mais um “poste” naufragar. Ele contava com o descrédito do governo Temer. Só que não aprendeu que o povo, que já sabe se informar por si próprio, entende perfeitamente que Temer, vice de Dilma em dois mandatos, é mais uma conseqüência funesta do petismo.
Não aprenderam também que menosprezar a inteligência do povo é um pecado grave da política. O candidato Bolsonaro foi feliz ao dizer que o que prejudica o PT não são as mentiras nas redes sociais, mas as verdades sobre o partido. Não aprenderam que é justamente a indignação popular com um ciclo econômico desastroso que gerou 14 milhões de desempregados, e que gerou os maiores escândalos de corrupção da história mundial, que tem impulsionado a outra candidatura da disputa. Agora tentam, com uma chicana jurídica, impedir a qualquer custo uma mudança efetiva no poder.
Não aprenderam nada. Não esqueceram nada. Mas como diz Cid Gomes: “Vão perder a eleição, e é bem feito”.