BUSCADOR DE NOTÍCIAS:

terça-feira, 15 de janeiro de 2019

Prejuízos da enchente no campo ultrapassam os R$ 185 milhões

A quebra na produção agrícola e a perda de produtividade das diversas cadeias de pecuária em função das chuvas que provocaram a enchente do Rio Vacacaí em São Gabriel, já causam à economia de São Gabriel, um prejuízo superior a R$ 185 milhões. A avaliação técnica foi realizada na manhã deste dia14 de janeiro, segunda-feira, em encontro no Sindicato Rural de São Gabriel que reuniu entidades de produtores rurais e órgãos como prefeitura municipal, Irga e Emater. O presidente Tarso Teixeira presidiu a reunião, que teve a presença de técnicos da Emater, Irga, DDA e dirigentes do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Associação dos Arrozeiros, os secretários municipais Carlos Cléber Leal (Desenvolvimento Rural) e Ricardo Júnior (Defesa Civil). 
Segundo os cálculos da Defesa Civil, São Gabriel acumulou 400 cm de precipitação em 72 horas. Lavouras de arroz e soja tiveram áreas inundadas e quebra de produção, e na pecuária, o descontrole no manejo do gado também acarreta prejuízos. Outras áreas do agronegócio local, como a ovinocultura, apicultura e fruticultura também foram afetadas, além dos prejuízos na infra-estrutura viária municipal, com queda de pontilhões e riscos ao escoamento da próxima safra. 
O presidente do Sindicato Rural e vice-presidente da Farsul, Tarso Teixeira, ressalta que a entidade irá pedir que o decreto de situação de emergência, feito pelo prefeito Rossano Gonçalves, seja homologado.

ESTIMATIVA DAS PERDAS (dados do Sindicato Rural, Irga e Emater, entre outros)

Arroz: quebra de 20% na produtividade – R$ 28.426.000,00 
Soja: quebra de 42%, sendo 22% da área com perda total – R$ 143.136.000,00
Gado de corte: Desequilíbrio do manejo e descontrole da verminose e carrapato. 6.860.000,00.
Gado de leite: Quebra de 20% na produtividade. R$ 660.000,00 de prejuízo
Ovinocultura: Prejuízo de R$ R$ 506 mil na produção de carne e R$ 315.000,00 na produção de lã. 
Apicultura: Quebra de 40% na produção. R$ 930.000,00.
Fruticultura: Perdas de 30% na produção, prejuízo de R$ 243.000,00.
Hortifrutigranjeiros e olericultura: Quebra de 20%, prejuízo de R$ 200.000,00
Infra-estrutura viária: Pontilhões danificados, danos na malha de estradas. R$ 4 milhões e investimentos para recuperação.

Perdas totais: 185.660.000,00