segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Dos 13 médicos previstos, apenas um se apresentou para trabalhar em postos de São Gabriel

São Gabriel, um dos municípios da Região Central mais atingidos pela saída dos médicos cubanos, segue com os serviços afetados mesmo após outros profissionais terem se inscrito – por meio do novo edital do programa Mais Médicos – para atuarem no município. Dos 13 médicos selecionados, apenas uma se apresentou para o serviço nesta segunda-feira (3). Além disso, conforme o secretário de Saúde de São Gabriel, Ricardo Coirolo, três já informaram desistência. 
O secretário ainda acrescenta que a situação continua preocupante. Enquanto isso, os postos de saúde atuam com cerca de 50% da capacidade e as unidades do interior não contam com atendimento médico: 
"É o cobertor curto. E os pacientes acamados, que recebiam as visitas semanais por parte dos profissionais do Mais Médicos, estão 100% desassistidos. Uma situação extremamente complicada. Um tratamento que vinha sendo realizado, de forma contínua em cerca de um mês, se perde em uma semana", ressalta.
A falta dos médicos afeta cerca de 30 mil pessoas que buscam atendimentos em postos de saúde das zonas urbana e rural. Dos 13 cubanos que atuavam no município, 12 deles desempenhavam as atividades na cidade e um no campo. Em São Gabriel, 80% da população conta com o Sistema Único de Saúde (SUS). A Secretaria de Saúde tem, no quadro de médicos, 50 profissionais (entre contratados e terceirizados). 
O cronograma do governo federal prevê que os médicos se apresentem aos municípios no máximo até o dia 14 deste mês. No próximo dia 18, o Ministério da Saúde promete publicar a lista com todos os nomes dos médicos que já estão em atuação e também as homologações.