Agricultura gaúcha perde Tarso Teixeira

Um dos líderes rurais mais influentes do Estado do Rio Grande do Sul partiu às 1h40min de hoje, na CTI do Hospital de Clínicas, em Porto Alegre, onde estava internado desde o começo de dezembro do ano passado, vítima de complicações decorrentes do Covid-19. Tarso Teixeira, superintendente do Incra no Rio Grande do Sul e vice-presidente da Farsul, tinha 69 anos e deixa esposa, três filhos e dois netos.
Nascido em São Sepé, em 17 de outubro de 1951, filho de Olga Simões Pires Teixeira e João Nepomuceno Teixeira, Tarso, por vinte anos foi presidente do sindicato rural daquele município. Médico veterinário formado pela Universidade Federal de Pelotas em 1975, co-gestor da Fazenda Boa Vista em São Sepé e técnico aposentado da Secretaria de Agricultura do Estado. Foi diretor industrial da Cooperativa Rural Gabrielense (Corugal) e da Cooperativa de Carnes Rio Vacacaí (Cooriva), empresa que foi proprietária da atual planta do Marfrig Group em São Gabriel.
Fundador do Núcleo de Criadores de Ovinos em São Gabriel, foi vice-presidente do Conselho Técnico da Associação Brasileira de Criadores de Ille de France, e curador da Feira de Terneiros de São Gabriel.
Foi presidente do Sindicato Rural de São Gabriel de 2003 a 2019, e desde 2006 é um dos vice-presidentes da Farsul, tornando-se uma voz respeitada na defesa do direito à propriedade. Atuou em conquistas como a mudança do status de São Gabriel e Santa Margarida do Sul no zoneamento agroclimático da soja, e na implantação do florestamento como matriz econômica da região.
À frente da superintendência do Incra no Estado, viabilizou a entrega de títulos definitivos para mais de 300 famílias assentadas em todo o Estado, além de firmar parcerias com as prefeituras para investimentos e melhorias em infraestrutura produtiva, captando milhões em recursos federais para estes municípios. Como escritor, é autor dos livros "Visão da Terra" (2004), "Utopias do Atraso (2009) e "Combatendo o Bom Combate" (2019), da Martins Livreiro Editora.
Deixa um legado de trabalho, competência e integridade em suas ações em prol do desenvolvimento da agricultura e a redução das desigualdades na área rural. À família, nossos sentimentos!

Um comentário:

  1. O Clube Amigos da Terra de Tupanciretã se solidariza com a família e amigos e lamenta profundamente essa irreparável perda para o agronegócio gaúcho e brasileiro. O Tarso era um grande brasileiro. Nossos sentimentos aos familiares e amigos.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.