Design-sem-nome-1

Em reunião, Santa Casa diz que 86% dos pacientes internados venceram a Covid-19

Desde o início da pandemia, 950 pessoas foram internadas para tratamento contra o Coronavírus (Covid-19) na Santa Casa de Caridade. Deste total, 821 pacientes se recuperaram e 129 faleceram. Em termos percentuais, 86% da população hospitalizada em área Covid conseguiu vencer a doença. O índice é um dos maiores do Estado e está acima da média nacional.

A informação é de Rafaela Bovolini, Coordenadora da enfermagem da Santa Casa, que apresentou os números durante reunião nesta quinta-feira, 1, organizada pela provedoria com a participação da Secretária da Saúde, Kátia Raposo; do Presidente do Poder Legislativo, vereador Claudiomiro Borges; do Promotor de Justiça, Thomaz De La Rosa da Rosa; e dos médicos Ary Carnieletto, diretor clínico; Ricardo Coirolo, diretor técnico; Paulo Pizarro, representando o Sindicato Médico e João Luiz Alves Pereira Filho, delegado do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul (CREMERS). Também participaram o Provedor Cilon Lopes, o administrador hospitalar José Neri de Oliveira e o comandante administrativo da Brigada Militar, Tenente Adriano Veras.
O relatório apresentado pela enfermeira levou em conta, ainda, termos percentuais por unidades.



Unidade A – Aberta em março de 2020 (tem 27 leitos). Foram atendidos 620 pacientes. 34 foram a óbito. Um deles era de Rosário do Sul. O percentual de pessoas recuperadas é de 95%, bem acima da média nacional.
Unidade E – Aberta em março de 2021, por causa da alta demanda de pacientes no PA. Como não houve condições de acomodar na Classe A e isolamento da Pediatria, foram criados 20 leitos para atendimento clínico. Neste período, 55 pacientes se recuperaram e 3 foram a óbito.
Unidade na pediatria – Aberta em fevereiro de 2021 e até 29 de março atendeu 92 pacientes. 89 se recuperaram e 3 foram a óbito. Taxa de 97% de sobrevida.

PACIENTES EM TRATAMENTO INTENSIVO
A UTI Geral, de 16 pessoas internadas, 9 foram a óbito. A UTI Covid, de 132 pacientes internados, 43 pacientes tiveram alta e 89 morreram. A taxa de óbito é de 67% contra 33% de altas.
“A maioria dos nossos óbitos têm acontecido entre fevereiro e março. Vimos, em todo o Brasil, a nova cepa. Ela causa uma piora gradativa, só que muito aguda. Ela é muito rápida. Antes, nos levávamos alguns dias para piorar, hoje, em três a gente tem um involução drástica do quadro”, explicou a enfermeira.
Ela também justificou o elevado número de óbitos com a seguinte informação: “A demora para o paciente ir para a UTI é uma fator considerável nos óbitos. Até uma semana atrás estávamos trabalhando com pacientes no tudo no Pronto Atendimento. Pacientes que necessitavam de terapia intensiva, porém não tínhamos como alocar, porque nossas UTIs estavam cheias”, complementou.
Segundo ela, essa piora do paciente no leito clínico auxiliou na elevação da taxa de mortalidade, “porque quando ele (paciente) chega na UTI, por muitas vezes, não temos mais o que fazer. Não é só a ventilação mecânica que vai salvar a vida do paciente. É todo o quadro geral dele”, concluiu.

O PORQUÊ DAS EXPLICAÇÕES?
Na semana passada e durante essa semana, um médico apresentou denúncias contra a Santa Casa. Em transmissões pelo Facebook, ele alegou que os óbitos estavam acontecendo por negligência dos profissionais.
As denúncias repercutiram em São Gabriel e fora do município. Profissionais do Pronto Atendimento 24H cogitaram a possibilidade de pedirem demissão e “fechar” o PA com a alegação de falta de segurança (trabalhadores estão sendo ameaçados) e depressão. A direção do hospital alega que contornou o problemas e a Unidade seguirá funcionando normalmente.

“Confiamos em nossos médicos, em nosso corpo clínico e sempre defenderemos o trabalho feito por eles. Não podemos deixar que uma notícia falsa venha a colocar a comunidade contra os profissionais de saúde. Sempre fomos uma instituição idônea, nunca tivemos uma prestação de contas rejeitada e o que tiver para arrumar vamos arrumar”, enfatiza o Provedor Cilon Siqueira.
A secretária Kátia Raposo corroborou a informação afirmando que, após as acusações, houve diversos casos de retaliação a profissionais do Gripão, dos quais, quatro já solicitaram afastamento por stress e depressão. Segundo ela, em um dos casos foi necessário acionar a Brigada Militar, pois a pessoa que buscava atendimento estava ameaçando e exigindo tratamento precoce e suspeitou-se que ela estivesse armada.
“Não existe medicação milagrosa. Fica claro que o aumento dos novos casos e óbitos se deu pela nova Cepa, que é muito mais agressiva e letal”, afirmou.

MANIFESTAÇÕES
O Promotor de Justiça, Thomaz De La Rosa da Rosa, falou sobre denúncias em reunião na Santa Casa.



MEDICAMENTO MILAGROSO SEM COMPROVAÇÃO CIENTÍFICA, É CRIME
O médico Ary Carnieletto, Diretor Clínico da Santa Casa, disse que não existe medicamento milagroso. Segundo ele, o médico que anunciou a cura da Covid-19 (com uso de uma medicação ainda não aprovada pela Anvisa), ao acusar colegas de trabalho infligiu, pelo menos, 15 regras do Código de Ética Médica.




Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.